terça-feira, 23 de agosto de 2011

Pardon me


Children Dancing at a Party (Pardon Me),
1918, oil on canvas.
Norman Rockwell.
Ontem, alguém me dizia que culpa é diferente de sentimento de culpa, assim como promessa é diferente de compromisso!
Segundo esse amigo, a culpa é aquilo de que te acusam, e, então, é mesmo necessário todo o aparato daquela área do conhecimento que aprendemos a chamar de Direito para lidarmos de fato com uma culpa. Ou seja, se te acusam culpado, haverá um advogado de acusação e você pode ter um advogado de defesa, para defendê-lo da culpa que te imputam e assim, quiçá, poderá ainda provar sua inocência. É claro que se você, de fato, cometeu determinada falta poderá ser provada sua culpa. Mas a culpa continuará sempre sendo aquilo que lhe imputaram, algo que veio de fora. Somos culpados de crimes que, por um consenso e por vivermos em uma sociedade, de determinada época, chamamos de crime. E, certo, está tudo bem que seja assim, ao menos por um tempo: o da condenação penal.
Já o sentimento de culpa é matéria de foro íntimo. Eu crio o meu sentimento de culpa. Tanto é assim, que posso me preocupar com o que o outro está sentindo em relação à determinada atitude que julgo injusta e que tomei no trato com ele. Muitas vezes, mesmo pedindo perdão por uma falta, e ainda mais se o outro não me perdoa, continuo me sentindo culpado. Isso não deveria acontecer (na ausência do sentimento de culpa de fato não acontece), afinal o problema é de quem não me perdoou. Há casos bizarros de pessoas perdoadas pelo ofendido e que continuam se sentindo culpadas.
Outra coisa interessante, e que esse meu amigo também me disse, foi acerca da promessa. Fazê-la é simplesmente pedir para ter problema com o outro: não prometa nada a ninguém. Você será cobrado, necessariamente, portanto, não deveria ter prometido, sobretudo se não desejava cumprir a promessa. O descumprimento da promessa, o que quase sempre acontece, é já o início de um processo de sentimento de culpa, nesse caso absolutamente desnecessário, pois bastaria simplesmente não prometer jamais.
E por fim, há o compromisso. Trata-se aqui de uma sutil nuance e naquilo que o diferencia da atitude precedente. Mas, que coloca novamente o que é de foro íntimo em circulação, agora, porém, em sua faceta positiva. Se você quer assumir um compromisso, isso não será mais uma promessa, mas o seu próprio desejo em movimento. Não deveríamos deixar de considerar um compromisso, pois quando nos comprometemos já não prometemos apenas, somos a promessa antecipada e que se nota por essa nossa atitude e ação. Por meio dessa atitude só poderia resultar algo que chamaríamos de "culpa", se ela não fosse um compromisso com o bem comum.
(publicado originalmente no blog do Coletivo Cultural pegando o Gancho)

2 comentários:

  1. Catarina Castellani23 de agosto de 2011 19:54

    Josafá! Tudo bem? Sabe que hoje eu estou com sentimento de culpa? Esse seu texto caiu como uma luva! Adorei! Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Catarina linda,
    Ainda bem que somos humanos, mortais, e podemos ir sentindo o que for necessário por ora, até que possamos, assim mesmo, ir aprendendo a sentir o que é melhor e mais importante, não é mesmo...?
    um beijo grande

    ResponderExcluir